Arquivo | Fevereiro, 2012

Momento Fashion: Diane von Furstenberg para kids

27 Fev

Deu hoje no site Glamurama da Joyce Pascowitch que a estilista Diane von Furstenberg criou uma coleção para a GAP Kids. Cada coisa linda!

Referência: Glamurama

Anúncios

Monnalisa – Uma marca gringa super charmosa

24 Fev

Acabei de conhecer uma marca italiana Monnalisa, no blog de moda da Alice Ferraz. Super cute!



Referências: Blog da Alice Ferraz, Monnalisa

Pais autoritários

24 Fev

Minha amiga Lu, me mandou um artigo que saiu no UOL sobre a propensão dos pais autoritários em criarem filhos delinquentes. É como se os filhos buscassem um comportamente contrário ao da pressão autoritária dos pais. Essa conclusão foi dada através do resultado de uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, pela Universidade de New Hamshire (UNH). O texto ainda cita 2 tipos de pais:
1) Exigente: apesar de controladores, são também interessados nas necessidades de seus filhos. De acordo com o estudo, pais com essas características criam crianças auto-suficientes, contentes e com autocontrole.
2) Permissivos: acabam não estabelecendo limites, mas são receptivos às necessidades de seus filhos. Os filhos sentem falta de uma relação paternal que os guiem.
Eu me vejo uma mãe exigente, um pouco mais para autoritária do que para permissiva. Tenho o seguinte pensamento, prefiro que as meninas levem uma bronca minha do que uma bronca do mundo! No livro “Pais Brilhantes, Professores Fascinantes”, o autor Augusto Cury fala sobre a importância de se dizer não aos filhos e complementa: “Se eles não ouvirem “não” de seus pais, estarão despreparados para ouvir “não” da vida.”

No site da Crescer, foi listado 5 frases que não devem ser ditas pelos pais me faz repensar antes de dar qualquer bronca:
– “Pára de chorar” – É uma frase clássica e e é repetida de mãe para filha, assim como o fator inibidor que esta frase carrega, pois na verdade, a criança precisa aprender a trabalhar a emoção que aquele choro carrega.
– “Volte já para a sua cama, isso é só um sonho” – Mesmo vc estando naquele sono profundo, não se deixe levar pelo mau humor. Acalente sua filha, diga que o medo vai passar e que era apenas um sonho e coloque-a para dormir, na cama dela.
– “Essa injeção não vai doer” – Mentir não é o canal, criança não é boba e não gosta de ser enganada.
– “Você não aprende nada direito” – Péssima frase, pois não estimula e só coloca a autoestima da criança para baixo.
– “Se você não me obedecer, eu vou embora” – Confesso que costumo usar essa frase, mas não é por ai que a criança vai respeitar sua autoridade.

No final da matéria do UOL, tem até um teste (adoro testes, herança da minha fase de adolescente lendo a Capricho…rárárá) para saber como anda a relação som seu filho.

Referências: UOL, Crescer, livro “Pais Brilhantes, Professores Fascinantes” do autor Augusto Cury.

Primeira viagem de avião, só nós 5

23 Fev

No dia do embarque, me dei conta que estávamos indo viajar pela primeira vez de avião só nós 5. Sempre levei alguém para dar um help, pois já falei, viajar com 3 crianças pequenas não é mole. Para complicar minha situação tem sempre 1 que passa mal, ou porque está doente, ou porque teve enjôo mesmo. Para não estressar a viagem ou desistir de vez, prefiro levar alguém. Li, em alguma revista de fofoca um depoimento do ator Marcio Garcia sobre as férias com seus 3 filhos e ele comenta sobre a logística necessária para se viajar com 3 filhos. E realmente é isso que a gente que tem 3 filhos vive pensando, na logística. Você precisa pensar se caso as três dormirem, se uma passar mal, se o avião é de 2 ou 3 lugares, torcer para que seu avião esteja em “fingers” e que vc não precise pegar aqueles malditos ônibus, no tempo de duração do vôo.
Graças a Deus, tudo deu certo. As três dormiram, mas consegui acordá-las para caminhar até o carrinho (de gêmeos), uma teve enjôos, mas não sujou muita coisa, saldo final da viagem: as meninas realmente estão crescendo, houve menos estresse do que eu imaginava e fizemos uma óóótima viagem. Ano que vem arrisco uma viagem internacional só nós 5, mas só ano que vem, uma coisa de cada vez!

Visita ao Henrique

17 Fev

Hoje, fomos visitar o Rico, filho da Pati e Edu. Que doçura! Um menino já com cara de homenzinho, falante e muito sorridente. As meninas ficaram enlouquecidas, não sabiam se queriam só ver, pegar, segurar no colo. Achei incrível quando a Pati o colocou no trocador, ele parece reconhecer os bichinhos de pelúcia e fica horas papeando e rindo, um momento mágico. A Pati está dando um show de bola, uma mãezona calma, sem qualquer histeria de mãe de primeira viagem.
Voltando para casa, relembrei de quando as meninas eram daquele tamanho, a casa silenciosa e ao fundo o chorinho gostoso de bebê, as conversas que eu tinha com elas, a hora da mamada, enfim, muitas saudades. A Pati comentou sobre suas primeiras conquistas, como passear com o bebê, conseguir ir na manicure, relembrei daquela sensação, aquele frio na barriga para fazer coisas simples longe da cria. Parece que sua vida se resume naquelas horas, ás vezes minutos, que os bebês estão dormindo. O mais gostoso de todo este processo, é ver que a gente tem que passar por estas sensações para compreender o que é ser mãe.

Que o vento leve este pesadelo para muito longe

17 Fev

Dizem que para espantar todos os pensamentos ruins de um pesadelo, a melhor coisa que se faz é contá-lo para todo mundo. Eis aqui o meio que achei para espantar qualquer possibilidade de perder minha mãe. Meu sonho era confuso e misturava cenas de quando eu era criança com os das minhas meninas, um clima tenso e pesado e que culminava com a morte da minha mãe. Gente que meda pensar sobre este assunto, perder minha mãe? Uma pessoinha com uma sabedoria incrível, com as neuras de uma mãe preocupada e a avó mais querida das minhas filhas, presente diariamente na vida delas, mesmo com um turno desenfreado de trabalho.
Sei que um dia, esse pesadelo vai ser real, mas que seja daqui uns 1000 anos. Não, 1000 anos é resposta de criança, então que seja daqui 100 anos! Mãe tem que viver eternamente. Confesso que não tenho maturidade, ou melhor, como diz minha sister, não sou evoluída para lidar com a morte. Bom, prefiro não falar deste assunto. Escrevo aqui, apenas para enviar longe estes pensamentos!

Festa em casa: buscando inspiração

15 Fev

Estou buscando inspiração para a festa da Tererê que será em casa. Um encontro entre amigas, algo bem simples ao estilo “mom made”, por isso tenho que me esforçar para não fazer feio!

Compartilhando idéias:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Referências e imagens dos sites: Bird´s Party, Bebe.com.br, MdeMulher, Gnt,

25 de Março – Um passeio não indicado para os pequenos

14 Fev

Hoje marquei um encontro com a minha amiga Clá na rua 25 de março. Uma escapada no meio da semana para encher a sacola de brinquedos, fantasias para o Carnaval, confete, roupa de ballet, agulha, forminhas para brigadeiro, e muito mais. Chegamos cedo para não pegar aquele estacionamento da Rua Barão de Duprat lotado, tomamos um café no Raful, que pasmem estava cheio. Quem é que come esfiha ou kibe no café da manhã? Te respondo, muita gente.
Apesar de hoje não estar muito cheio, não imagino trazendo minhas pequenas neste lugar. Nada contra, pelo contrário, AMO de paixão essa muvuca, mas com criança? No way! É muita gente com pressa, é muita sacola, muita cotovelada que poucos sobrevivem. Passei na Armarinhos Fernando, a loja mais desorganizada que conheço e uma das mais baratas também, lá pesquisei preços da Barbie e já dou a dica, a diferença com as grandes lojas de brinquedos é tão pequena que nem indo de metrô compensa. Vale a pena os jogos, há sempre um em oferta.
Seguimos para a loja Camicado, que também vende de tudo, mas o que mais gosto de comprar lá são brinquedos pequenos, lembrancinhas e descartáveis para festa. Já comprei tudo para a decór da festa da Tererê, que esse ano será só entre as amigas! (Me desculpem mãe dos meninos! Amo vcs, amo os meninos, mas este ano ela quer um aniversário que com certeza os meninos não curtiriam participar. Como diz Titi, filho da minha querida amiga Carol: “É muito cor de rosa!”
Comprei tudo da minha lista…ah, essa é outra dica que deixo, levar uma lista para não se perder no orçamento e em meio às pechinchas da 25 de Março.

Vale a pena fuçar:

  • Armarinhos Fernando – Rua 25 de Março, 735 (Brinquedos, papelaria)
  • Camicado – Rua Barão de Duprat, 133/145 (Coisas para festa)
  • Flórida Decorações – Rua da Cantareira, 28 (Decór, tem lindos castiçais, artigos da linha Provençal, velas)
  • Depósito São Jorge – Rua 25 de Março (Papetes para a criançada, meia-calça, lingerie)
  • Du Careca – Rua 25 de Março, 729 (Acessórios para cabelo, necessarie)
  • Le Charm Bijoux – Rua 25 de Março, 673 (Lindas bijoux. Para conseguir um preço bem bacana, vale comprar no varejo com uma amiga para compartilhar o valor mínimo do atacado R$150 e se pagar em grana ganha 10%)
  • Raful – Rua Com Abdo Schahin, 118 (Ótimas esfihas, principalmente as de ricota)
  • As coisas que fazem a bagunça do dia a dia

    10 Fev

    Manter a casa arrumada sempre foi minha neura. Não consigo deixar o meu escritório em ordem, isso porque ele fica bem no ponto central da casa com visão privilegiada (Onde uma mãe coruja pode trabalhar e controlar tudo! Rarara…) , mas também o ponto de encontro de todas as bagunças da casa. Não falem mal das crianças e nem dos maridos, pois eles nada têm a ver com essa confusão. Os culpados da bagunça são os brinquedos que nunca acham o caminho certo depois de divertir a criançada, o tênis e a roupa passada que não acham a gaveta certa para ficar.
    Recebi esse texto da Angela, mamãe da Lelê e me senti mais leve. Leve como deve ser.

    ” Casa arrumada é assim:
    Um lugar organizado, limpo, com espaço livre pra circulação e uma boa entrada de luz.
    Mas casa, pra mim, tem que ser casa e não um centro cirúrgico, um cenário de novela.
    Tem gente que gasta muito tempo limpando, esterilizando, ajeitando os móveis, afofando as almofadas…
    Não, eu prefiro viver numa casa onde eu bato o olho e percebo logo: Aqui tem vida…
    Casa com vida, pra mim, é aquela em que os livros saem das prateleiras e os enfeites brincam de trocar de lugar.
    Casa com vida tem fogão gasto pelo uso, pelo abuso das refeições fartas, que chamam todo mundo pra mesa da cozinha.
    Sofá sem mancha?
    Tapete sem fio puxado?
    Mesa sem marca de copo?
    Tá na cara que é casa sem festa.
    E se o piso não tem arranhão, é porque ali ninguém dança.
    Casa com vida, pra mim, tem banheiro com vapor perfumado no meio da tarde.
    Tem gaveta de entulho, daquelas que a gente guarda barbante, passaporte e vela de aniversário, tudo junto…
    Casa com vida é aquela em que a gente entra e se sente bem-vinda.
    A que está sempre pronta pros amigos, filhos…
    Netos, pros vizinhos…
    E nos quartos, se possível, tem lençóis revirados por gente que brinca ou namora a qualquer hora do dia. Casa com vida é aquela que a gente arruma pra ficar com a cara da gente.

    Arrume a sua casa todos os dias…
    Mas arrume de um jeito que lhe sobre tempo pra viver nela…
    E reconhecer nela o seu lugar.”

    Carlos Drummond de Andrade

    Bye, Little People!

    8 Fev

    Na minha época de criança, eu não tinha casinha de bonecas. Lembro que pegava caixas e aqueles moldes de isopor que serviam para encaixar os brinquedos e criava mega casas, trailers e até navios para as bonecas. As minhas meninas tiveram uma ajudinha nas brincadeiras, as casinhas, carrinhos, aviões já vieram prontos e elas adoravam brincar nesse mundo dos “Little People”. Elas brincavam muito quando pequenas, quando nem falavam direito, mas hoje em dia, perderam espaço para as brincadeiras de “mamãe e filhinha”, Barbie, Zoobles entre outras. Confesso que relutei em doar os “Little People” que marcaram muito a fase “bebê” das meninas. Estou sentindo que essa fase está voando, a minha caçula já vai fazer 4anos! Buá, buá, elas estão crescendo.

    Este slideshow necessita de JavaScript.